Bioserv SMO

Depressão e ansiedade entre jovens dobraram durante a pandemia, revela pesquisa

Durante a pandemia de Covid-19, a depressão e a ansiedade na juventude dobraram em comparação aos níveis pré-pandêmicos, de acordo com uma pesquisa. Um em cada 4 adolescentes em todo o mundo está “experimentando sintomas de depressão clinicamente elevados, enquanto 1 em cada 5 jovens está experimentando sintomas de ansiedade clinicamente elevados.”

“Os resultados desta análise sugerem que a pandemia provavelmente instigou uma crise global de saúde mental na juventude”, disse a autora do estudo Sheri Madigan, professora associada de psicologia clínica e cadeira de pesquisa canadense em determinantes do desenvolvimento infantil na Universidade de Calgary.

Com o passar dos meses, esses impactos negativos sobre os jovens só pioraram, concluiu o estudo. Isso surpreendeu Madigan, que disse pensar que “eles seriam mais resistentes e maleáveis aos desafios da pandemia”.

Os impactos na saúde mental podem ser devido ao isolamento social persistente, marcos perdidos, problemas financeiros e familiares, além de interrupções escolares prolongadas, de acordo com a análise. Outros estudos acompanhando crianças por um longo período de tempo devem ser conduzidos, observou o estudo, para monitorar os efeitos contínuos.

A meta-análise, publicada na segunda-feira na JAMA Pediatrics, revisou 29 estudos com um total de mais de 80.000 participantes em todo o mundo, com idades entre 4 e 17 anos e idade média de 13 anos. Os estudos incluídos, que usaram dados clínicos empíricos sobre depressão e ansiedade, foram realizados no Leste Asiático, Europa, América do Norte, Oriente Médio e Américas do Sul e Central.

‘Perturbação e estresse acima do normal’

A saúde mental dos jovens já estava em declínio antes da pandemia. Mais de 1 em cada 3 alunos do ensino médio nos EUA já haviam dito ter sentimentos persistentes de tristeza ou desesperança em 2019, um aumento de 40% em relação a 2009, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

A pandemia criou condições que podem ter exacerbado esses sentimentos negativos. Com o fechamento de escolas e o aprendizado remoto, as crianças experimentaram a perda de interações com os colegas, maior isolamento social e menos interação com outros adultos que dão apoio, como professores e treinadores.

Essas mudanças podem ter contribuído para o aumento dos sintomas de depressão, como sentimentos de tristeza, perda de interesse pelas atividades e perda de apetite e sono, de acordo com o estudo.

Além disso, a incerteza geral e as interrupções das rotinas diárias causadas pela pandemia provavelmente aumentaram os sintomas de ansiedade generalizada na juventude, incluindo medo, preocupação incontrolável e hiperexcitação, observou o estudo. A preocupação com a saúde da família e dos amigos com a disseminação da Covid-19 também provavelmente contribuiu para o aumento da ansiedade das crianças, de acordo com a pesquisa.

“Crianças e jovens experimentaram perturbações e estresse além do normal durante a pandemia, e isso afetou sua saúde mental”, disse Madigan. “Quando os problemas de saúde mental persistem e não são tratados adequadamente, podem ter consequências duradouras.”

As descobertas do estudo são consistentes com o que Jenna Glover, psicóloga clínica infantil e diretora de treinamento em psicologia do Children’s Hospital Colorado, disse que está vendo no terreno. Ela não participou do estudo.

“A interrupção de suas rotinas e consistência é muito prejudicial para a saúde mental de uma criança”, disse Glover. “Eles prosperam com a previsibilidade, que está ausente há mais de um ano.”

O estresse crônico e a instabilidade que as crianças estão experimentando podem levar a sentimentos de desesperança, que é um dos principais indicadores de ideação suicida, acrescentou ela.

Além do aumento geral da doença mental juvenil, o estudo também descobriu que as crianças mais velhas foram afetadas de forma mais severa do que as mais novas, possivelmente devido à puberdade e às mudanças hormonais além da perda da interação social.

As meninas também apresentaram maior prevalência de depressão e ansiedade, o que, segundo o estudo, está de acordo com pesquisas anteriores à pandemia. Embora este seja um fenômeno bem conhecido, muitas vezes é esquecido em conversas sobre saúde mental, disse Glover.

“Isso não é bom para os jovens, mas é especialmente ruim para as mulheres”, disse ela. “Pensar em intervenções e rastreios direcionados reais com base no conhecimento dessas coisas, eu acho, é uma lição importante deste estudo.”

Como seguir em frente

Os pesquisadores devem continuar a monitorar a situação da saúde mental dos jovens à medida que a pandemia continua e examinar maneiras de lidar com a crise, disse Madigan.

“Este é um momento crítico. Quando falamos sobre crianças e jovens como o futuro de nossas sociedades, isso não poderia ser mais real ou verdadeiro”, disse Madigan. “Se a juventude superar esta pandemia com níveis crescentes de estresse e desafios de saúde mental, a sociedade poderá enfrentar alguns desafios reais, desde a idade da juventude até a idade adulta.”

Manter rotinas regulares é fundamental para o bem-estar dos jovens, enfatizou Brae Anne McArthur, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Calgary e psicóloga infantil clínica que também esteve envolvida no estudo.

“Sabendo que as crianças e os jovens prosperam no contexto de rotinas claras, é importante que as crianças e os jovens permaneçam na escola e nas atividades extracurriculares”, disse McArthur.

É por isso que as escolas devem ser mantidas abertas tanto quanto com segurança possível, disse Madigan.

“As escolas podem ser um refúgio para muitos jovens, mas também, até 80% dos jovens dependem de serviços e recursos baseados na escola para atender às suas necessidades de saúde mental”, disse ela. “Se as escolas forem fechadas, muitos jovens que precisam de ajuda podem sentir que não têm a quem recorrer para obtê-la, o que pode ter consequências drásticas.”

Glover ecoou que as escolas devem ser mantidas abertas na medida do possível. Os pais também podem entrar em ação checando seus filhos e monitorando seus hábitos de sono e alimentação, bem como seu humor, disse ela.

McArthur disse que embora a situação seja terrível, ainda temos tempo para reverter.

“Isso (o estudo) não sugere que não possamos nos recuperar dessa crise de saúde mental”, disse ela. “Se pudermos nos unir como pais, pesquisadores, médicos e formuladores de políticas para desenvolver maneiras claras e viáveis de avançar para apoiar a saúde mental de crianças e jovens, poderemos reescrever esta história daqui a um ano.”

(Texto traduzido. Leia o original aqui)

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2021/08/12/depressao-e-ansiedade-entre-jovens-dobraram-durante-a-pandemia-revela-pesquisa

Imagem:

Arquivo

Este website utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação. Ao clicar no botão ao lado, você concorda com a nossa Política de Privacidade.