logo

Pesquisa da UFMG desenvolve ‘viagra natural’ com veneno de aranha

Pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) desenvolveram um um estimulante sexual derivado de veneno de aranha. A pesquisa está em fase avançada de testes e já recebeu o prêmio Desafio dos Campeões da Ciência, em Montevidéu, no último dia 2 de dezembro.

A tecnologia desenvolvida na universidade é coordenada pela bióloga, bioquímica e neurocientista Maria Elena de Lima, do Departamento de Bioquímica e Imunologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB). A pesquisadora passou anos explorando o potencial da biodiversidade, concentrando-se em venenos de animais, selecionando e estudando biomoléculas como modelos de novos medicamentos.

O gel estimulante sexual derivado do veneno da aranha armadeira, com efeito vasodilatador, tem sido visto como um dos mais curiosos e promissores tratamentos. Ele estimula a produção de óxido nítrico no órgão e, assim, ativa a circulação sanguínea. Como consequência, a ereção começa de cinco a dez minutos após a aplicação e pode ser mantida por até quatro horas.

Pesquisa premiada

Estudos de novos tratamentos para disfunção sexual avançam a cada dia e os pesquisadores estão otimistas para colocarem suas tecnologias no mercado. Isso porque o prazo da última patente que autorizou a exploração exclusiva do Viagra expira em abril de 2020. A UFMG tem a patente do estimulante sexual derivado do veneno da aranha armadeira, que concedeu à professora Maria Elena de Lima o prêmio Champions of Science Storytelling Challenge – edição América Latina e Caribe, da Johnson & Johnson.

O desafio de “contação” de histórias – Champions of Science destaca conquistas e jornadas pessoais de cientistas inovadores. Os cinco vencedores, entre eles a professora da UFMG, foram anunciados no dia 2 de dezembro, em Montevidéu, premiados pelas notáveis ​​contribuições em defesa dos avanços científicos. O desafio recebeu, entre janeiro e março de 2019, quase 100 inscrições de pesquisadores, representantes de 17 países. Um comitê independente de cientistas e jornalistas científicos selecionou os vencedores que, além do prêmio em dinheiro de aproximadamente R$ 20 mil, recebem a publicação de suas histórias e publicidade internacional.

Andamento da pesquisa

O potencial medicamento originado na biodiversidade brasileira pode ser indicado como uma solução para a disfunção erétil (DE) em homens e mulheres ou como tratamento para indivíduos que não respondem às terapias usuais, principalmente pacientes diabéticos e hipertensos.

Testes-pilotos com seres humanos, três homens e três mulheres, realizados sob a coordenação da Biozeus Biopharmaceutical SA (empresa parceira que adquiriu a patente da UFMG), mostraram resultados positivos nos voluntários de ambos os sexos, de forma segura.

Também foi realizado um teste-piloto em 30 pacientes homens, voluntários com disfunção erétil associada à hipertensão ou diabetes. Após os resultados obtidos em animais, espera-se que a aplicação do estimulante derivado de uma toxina da aranha também seja eficaz nesses pacientes.

As próximas etapas envolvem a formulação final de marketing, testes pré-clínicos regulatórios de toxicidade (já iniciados) e futuros ensaios clínicos. Esses resultados provêm de uma equipe que envolve dezenas de estudantes e pesquisadores, cujos trabalhos publicados atestam suas participações.

A patente tem a participação majoritária da UFMG, em parceria com a Funed (Fundação Ezequiel Dias) e a Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais). A negociação da tecnologia com a Biozeus, licenciada por meio de oferta pública, foi feita por intermédio da Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) da UFMG.

  • Share

Comments are closed.