logo

Anvisa aprova terapia inédita para câncer de bexiga

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na segunda-feira a primeira terapia-alvo para tratamento de câncer de bexiga. O medicamento é indicado para pacientes com tumor metastático e alterações no gene do FGFR (enzimas envolvidas em diversas funções vitais). Esse tipo da doença geralmente é pouco tratável e não responde à quimioterapia ou imunoterapia. Estima-se que um em cada cinco pacientes com metástase tem uma alteração de FGFR.

O erdafitinibe inibe o receptor do fator de crescimento de fibroblastos (FGFR, sigla em inglês), enzimas envolvidas em diversas funções vitais para o funcionamento e a proliferação celular. Entretanto, quando esses receptores sofrem alterações genéticas, aceleram o crescimento e a sobrevivência do tumor. Essas alterações podem ser detectadas por meio de testes de biomarcadores, utilizados para auxiliar o médico a determinar qual a melhor estratégia de tratamento para cada paciente.

A expectativa de vida dos pacientes com câncer de bexiga localmente avançado é de 35% em cinco anos, segundo estudos. Caso a enfermidade evolua para a fase metastática – quando se espalha para outros órgãos – esse número cai para 5%. Os estudos clínicos feitos mostraram que 40,4% dos pacientes apresentaram redução do tumor e 79,8% mantiveram o tumor estável, sem evolução da doença, incluindo aqueles que não haviam respondido à imunoterapia.

Os efeitos colaterais incluem distúrbios oculares, hiperfosfatemia (transtorno de eletrólito no qual há um nível anormalmente elevado de fosfato no sangue) e toxicidade embrionária fetal.

Câncer de bexiga

O câncer de bexiga é uma das neoplasias mais comuns do trato urinário e o nono tipo mais incidente, em nível mundial, com aproximadamente 550.000 novos casos ao ano. No Brasil, a estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca) é de 9.480 novos casos em 2018, sendo 6.690 em homens e 2.790 em mulheres

É considerado um dos tumores mais comuns do sistema urinário, ocupando a sexta posição dos tumores mais incidentes em homens,em seguida aos de pulmão, próstata e colorretal e é o 19º mais frequente nas mulheres. Os sintomas incluem sangue na urina (presente em 90% dos casos), dor ao urinar e necessidade frequente de urinar, sem conseguir fazê-lo.

Os fatores de risco são idade e raça (homens brancos e de idade avançada são o grupo com maior probabilidade de desenvolver esse tipo de câncer), tabagismo e exposição a compostos químicos. O diagnóstico pode ser feito por exames de urina e de imagem, como tomografia computadorizada e citoscopia (investigação interna da bexiga por um instrumento dotado de câmera).

O tratamento vai depender do grau de evolução da doença e pode ser cirurgia, radioterapia, quimioterapia, imunoterapia e, agora, terapia-alvo. (Veja)

Fonte: https://panoramafarmaceutico.com.br/saude/

  • Share

Comments are closed.