logo

Crianças expostas ao zika na gravidez que nasceram sem microcefalia podem apresentar atraso de desenvolvimento

Um grupo internacional de pesquisadores verificou que, em alguns casos, crianças com microcefalia e filhas de mulheres grávidas que pegaram o vírus da zika podem retomar um desenvolvimento do perímetro cefálico. Em estudo publicado na revista “Nature Medicine” nesta segunda-feira (8), cientistas de uma cooperação que inclui a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, observaram dois casos de crianças com microcefalia que recuperaram seu desenvolvimento.

(Correção: Ao ser publicada, esta reportagem errou ao afirmar que houve retomada do “desenvolvimento neurológico”. O texto foi corrigido às 21h08)

Eles acompanharam 244 mulheres grávidas – em qualquer etapa da gestação – a partir do momento em que apresentaram sintomas parecidos com os da zika, como febre e erupções na pele, nos laboratórios da Fiocruz no Rio de Janeiro, entre 2015 e 2016. O período compreende a época em que a zika foi uma epidemia na cidade.

De oito casos, dois evoluíram sob acompanhamento

Após a confirmação da presença do vírus em 216 dessas mulheres, o desenvolvimento dos bebês continuou sendo monitorado, por meio de diferentes técnicas, como as da chamada Escala Bayley, que acompanha comportamentos cognitivos, linguísticos, motores, social-emocional e adaptativo de cada criança. Eles foram estudados enquanto tinham de 7 a 32 meses de idade.

Entre essas 216 mães, oito tiveram bebês com microcefalia (3,7% do total estudado).

E, desses oito casos, dois evoluíram: um dos bebês desenvolveu a circunferência normal da cabeça conforme crescia, e o outro voltou a formar essa circunferência após uma cirurgia no crânio. As duas crianças apresentaram perímetro encefálico menor ao nascer, mas não tinham injúria cerebral causada pelo vírus.

“Elas foram expostas ao zika, uma delas tinha uma restrição de crescimento, de peso, comprimento e do perímetro encefálico. Outra tinha uma um fechamento precoce da moleirinha, o que a gente chama de pontanela cerebral. Então, elas não tinham a injúria cerebral causada pelo vírus, ou seja, elas não tiveram destruição neuronal por conta do processo infeccioso”, explica a pesquisadora Maria Elizabeth Moreira.

Resultados

De acordo com Moreira, o estudo demonstra a importância do acompanhamento constante dos bebês que foram infectados pelo vírus da zika. A cientista explica que o principal resultado da pesquisa aponta para o fato de 30% dos infectados não desenvolverem a microcefalia até o momento do nascimento, mas com chance de isso acontecer posteriormente.

“Das crianças que nascem com microcefalia, 30% delas podem ter algum tipo de atraso de desenvolvimento. Se isso for visto cedo, o diagnóstico precoce pode levar a melhorias e à diminuição dos danos causados pelo vírus”, explicou.

Segundo a pesquisadora, a infecção por zika na gravidez pode causar uma série de manifestações, desde defeitos congênitos neurológicos muito graves, em um grupo menor, até uma ampla gama de problemas de neurodesenvolvimento que podem afetar pelo menos 1/3 das crianças. As chances de uma criança ter problemas são maiores quanto mais cedo as mulheres são infectadas durante a gravidez.

fonte: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/07/10/cientistas-identificam-dois-casos-de-reversao-da-microcefalia-em-bebes-de-maes-com-o-virus-da-zika.ghtml?fbclid=IwAR3KBSSLznk8Rnvorn9irRF6HUk5BcIhWpPACR_5ipm5yUYi9Y9r4vFGxpo

  • Share

Comments are closed.